Juan Arias

La Copa quebrada

Por: | 23 de abril de 2014

 

Protestas contra el Mundial
A 50 días del Mundial de Futbol, Brasil ya ha perdido y ganado la Copa al mismo tiempo sin haber tocado aún  el balón,  lo que no supone una tragedia
. La ha ganado, fuera de los estadios, porque el país ha madurado y desea algo más que futbol. Quiere una vida mejor y más digna, con el Mundial o sin él.

La ha perdido porque ya no es un secreto que el país del fútbol ha llegado tarde, con estadios -además de millonarios- remendados en el último momento, con posible despilfarro de dinero público, cuando la promesa era que los gastos los sufragarían las empresas privadas. La población, además, no ha obtenido ventajas de las prometidas nuevas infraestructuras, sobre todo de transportes, llevadas a cabo en las ciudades sede de las competiciones. Y en los aeropuertos aún hay obras que deberán ser ocultadas a los turistas.

Protestas contra el Mundial (2)
Y por si fuera poco, como anota de manera aguda Vinicius Torres Freire en su columna del diario Folha de S. Paulo, el Mundial, que estaba llamado a ser una ocasión de fiesta, “está siendo tratado literalmente como una operación de guerra”. Se anuncia hasta el uso del Ejército en las calles por miedo a las protestas violentas y, según algunos, hasta una especie de “Estado de excepción blanco” durante el mes de la competición. ¿Puede la FIFA gobernar un país, aunque sea por unas semanas?

Brasil estaba predestinado a hacer la mejor de las Copas de la historia y le falta poco para que acabe siendo una de las peor organizadas y más criticadas, hasta por los anfitriones. Se ha perdido el Mundial antes de disputarlo, algo que, según escuché en un autobús donde viajaba gente de clase media, avergüenza a los brasileños. Sentí en el aire el eco del complejo de perro callejero que durante tanto tiempo sufrió este gran país, rico y de gentes envidiables por su capacidad de acogida y resistencia al dolor.

Pero Brasil también ha ganado el Mundial, haya o no manifestaciones callejeras en contra. Lo ha ganado por una razón muy simple y hasta paradójica: porque la mayoría de los brasileños ha revelado que, si pudieran decidir, no votaría para que el campeonato se celebrara aquí, 64 años después del de 1950, tristemente famoso por el gol con el que Uruguay ganó a Brasil en el Maracaná recién estrenado.

Protestas contra el Mundial (3)

El hecho de que los brasileños, sin renunciar a su pasión por el balón -que llevan impresa en su ADN, en su sangre y en su cultura- ya no se sientan solo hijos del futbol y sueñen más alto, es más que ganar el Mundial.

Es un país que ha crecido, ha madurado, se ha desarrollado económicamente desde aquel fatídico 1950, y ha tomado conciencia de que no debe ser amado y admirado en el mundo solo porque sabe chutar como pocos un balón, sino también porque es capaz de exigir lo que le pertenece y merece.

Aún hay familias pobres de las favelas que sueñan con la posibilidad de que alguno de sus hijos pueda ser un nuevo crack del fútbol para sacarlas de apuros económicos. La mayoría, sin embargo, tiene otros sueños para sus hijos. He escuchado incluso de gentes de familias sencillas que hay dos cosas que ya no querrían para sus hijos: que fueran policías o futbolistas. Es un cambio de paradigma que revela, más que muchos sondeos científicos, cómo ha cambiado este país.

Las autoridades están cada día más nerviosas por temor a las manifestaciones. Temen también los políticos que Brasil pueda, de nuevo, perder la Copa.
Ese miedo indica que no han entendido que para este país ya no es esa la mayor preocupación en la calle, donde un grupo de pescadores a los que les pregunté si estaban nerviosos por el campeonato me respondieron: “Aquí, señor periodista, esta vez no hay clima de Copa. Nos preocupan otras cosas”.

Seguro que esta vez, si Brasil vuelve a perder -y otra vez en el Maracaná- no veríamos a nadie tirarse desesperado de un puente. Brasil sufre hoy con la inflación disparada y la precariedad de los servicios públicos. Preocupa la barbarie de los linchamientos que revelan también una falta de credibilidad en las autoridades del Estado incapaces de proteger.

Los brasileños disfrutan hoy con el deseo de superarse, de ganar el tiempo perdido reciclándose profesionalmente para poder dar un salto social y, de ese modo, estimular a sus hijos a no perpetuar la fatalidad de la pobreza material y cultural de sus padres y abuelos.

Protestas contra el Mundial (4)Hoy, que se hacen sondeos sobre todo lo habido y por haber -hasta sobre las minifaldas de las mujeres que provocan a los hombres- sería interesante que preguntaran a los brasileños con qué sueñan despiertos, si es con ganar la Copa o con poder tener una vida sin agobios económicos, con un Gobierno que les devuelva en servicios decentes el sacrificio de tantos impuestos, un futuro con menos violencia, con menos desigualdades insultantes. O la posibilidad de poder disfrutar de algunas de las cosas materiales o espirituales que, hasta ahora, solo han visto aprovechar a un puñado de privilegiados.

En todo el mundo los dictadores, de derechas e izquierdas, han usado el deporte, y especialmente el fútbol, para emborrachar a la gente y distraerla de sus verdaderos problemas y anhelos.

Hoy los brasileños no cambiarían, sin embargo, ganar el Mundial a costa de seguir sufriendo las garras de la pobreza y la exclusión que los atenazaron tantos años. Prefieren perderlo si ello supusiera poder disfrutar de una mayor democracia.

¿Y si la ganara? Entonces la ganaría dos veces, pero la Copa no sería la razón principal de su felicidad. Sería solo un buen postre después del plato principal. Y ese plato es un Brasil que ya no aceptaría volver a perder su democracia para hundirse de nuevo en el túnel de la dictadura; un país que, a pesar de estar viviendo un momento difícil en su economía, sigue siendo uno de los países más ricos del planeta y aspira a ganar muchas otras batallas. Si fuera necesario, volvería a salir a la calle para hacerse escuchar.

(Texto publicado en las ediciones de Brasil y América)

Protestas contra el Mundial (5)

TEXTO EN PORTUGUÉS:

O Brasil ao mesmo tempo já perdeu e já ganhou a Copa, o que não é nenhuma tragédia. Ganhou-a, fora dos estádios, porque o país amadureceu e deseja algo mais do que futebol. Quer uma vida melhor e mais digna, com a Copa ou sem ela.

Perdeu-a porque já não é segredo que o país do futebol chegou tarde, com estádios, além de milionários, remendados na última hora, com possível esbanjamento de dinheiro público, quando a promessa era de que os gastos seriam bancados por empresas privadas. A população, além disso, não obteve vantagens das prometidas novas infraestruturas, sobretudo as de transportes, levadas a cabo nas cidades-sede das competições. E nos aeroportos ainda há obras que deverão ser ocultadas dos turistas.

E como se fosse pouco, observa agudamente Vinicius Torres Freire em sua coluna do jornal Folha de S.Paulo, a Copa, que estava destinada a ser uma ocasião de festa, “teve de ser tratada como operação literalmente de guerra”, já que se anuncia o uso do Exército nas ruas, por temor de protestos violentos, e, segundo alguns, poderá haver uma espécie de “estado de exceção branco” durante o mês da competição. Pode a FIFA governar um país, mesmo que seja só por algumas semanas?

O Brasil estava destinado a fazer a melhor Copa da história, e falta pouco para que acabe sendo uma das mais mal organizadas e mais criticadas até pelos anfitriões. Perdeu-se a Copa antes de disputá-la, algo que, conforme escutei em um ônibus onde viajava gente de classe média, envergonha os brasileiros. Senti no ar o eco da volta do complexo de vira-latas que durante tanto tempo assolou este país grande, rico e de gente invejável por sua capacidade de acolhimento e resistência à dor. A Copa, de certa forma, já foi perdida.

Mas o Brasil também já ganhou a Copa, haja ou não manifestações nas ruas contra o torneio. Ganhou-a por uma razão muito simples e até paradoxal: porque a maioria dos brasileiros revelou que, se pudessem decidir, não votaria para que a Copa fosse realizada aqui, 64 anos depois do Mundial de 1950, tristemente famoso pelo gol com o qual o Uruguai ganhou do Brasil no Maracanã recém-estreado.

O fato de os brasileiros –sem renunciarem a sua paixão pela bola, que levam impressa em seu DNA, em seu sangue e na sua cultura – já não se sentirem apenas filhos do futebol e sonharem mais alto significa mais do que ganhar a Copa.

É um país que cresceu, amadureceu, desenvolveu-se economicamente desde aquele fatídico 1950 e tomou consciência de que não deve ser amado e admirado no mundo só porque sabe chutar uma bola como poucos, mas também porque é capaz de exigir o que lhe pertence e o que merece.

Ainda há famílias pobres das favelas que sonham com a possibilidade de que algum de seus filhos possa virar um novo craque que tire seus parentes dos apuros econômicos. A maioria, entretanto, tem outros sonhos para seus filhos, longe dos gramados. Escutei inclusive de pessoas com origens modestas que há duas coisas que elas já não desejariam para seus filhos: que fossem policiais ou jogadores de futebol. É uma mudança de paradigma que revela, mais do que muitos levantamentos científicos, como este país mudou.

As autoridades governamentais estão a cada dia mais nervosas com as possíveis manifestações. Os políticos também temem que o Brasil possa, de novo, na segunda Copa com uma final no Maracanã, perder a taça.

Esse medo indica que eles não entenderam que, para este país, já não é essa a maior preocupação que se vive nas ruas, onde um grupo de pescadores aos quais perguntei se estavam nervosos com a Copa me respondeu: “Aqui, ‘seu’ jornalista, desta vez não há clima de Copa. Estamos preocupados com outras coisas.”

Claro que desta vez, se o Brasil voltar a perder a Copa, e outra vez no Maracanã, não veremos ninguém se atirar de uma ponte em desespero. O Brasil sofre hoje com outras coisas, como a inflação disparada e a precariedade dos serviços públicos. Preocupa a barbárie dos linchamentos, que revelam também uma falta de credibilidade em relação às autoridades do Estado, incapazes de proteger a população.

Os brasileiros desfrutam hoje de outras coisas além do futebol, como o desejo de se superar, de ganhar o tempo perdido reciclando-se profissionalmente para poder dar um salto social e, desse modo, estimular os seus filhos a não perpetuarem a fatalidade da pobreza material e cultural de seus pais e avós.

Hoje, quando são feitas pesquisas sobre tudo o que acontece e está por acontecer, até sobre as minissaias que provocam os homens, seria interessante que perguntassem aos brasileiros quais são seus sonhos com os olhos abertos, se é ganhar a Copa ou poder ter uma vida sem sofrimentos econômicos, com um Governo que lhes devolva em serviços decentes o sacrifício de tantos impostos, um futuro com menos violência, com menos desigualdades insultantes. Ou a possibilidade de poder desfrutar de algumas das coisas materiais e espirituais que, até agora, eles só viram um punhado de privilegiados aproveitar.

Em todo o mundo, os ditadores, de direita e de esquerda, usaram o esporte, e sobretudo o futebol, para embriagar as pessoas e distraí-las dos seus verdadeiros problemas e anseios.

Hoje, entretanto, os brasileiros não optariam por ganhar a Copa à custa de continuar sofrendo nas garras da pobreza e da exclusão, que durante tantos anos os atormentaram. Preferem perdê-la se isso significar poder desfrutar de uma maior democracia.

E se ganhar? Então ganharia duas vezes, mas a Copa não seria a razão principal da sua felicidade. Seria só uma boa sobremesa depois do prato principal. E esse prato é um Brasil que já não aceitaria voltar a perder sua democracia para afundar-se de novo no túnel da ditadura; um país que, apesar de estar vivendo um momento difícil em sua economia, continua sendo um dos países mais ricos do planeta e que aspira a ganhar muitas outras batalhas. Se fosse necessário, voltaria a sair à rua para se fazer escutar.

Hay 10 Comentarios

Totalmente deacuerdo con Sherazade.

Com a Copa no Brasil vem também de forma pesada e agressiva a propaganda de bebida alcoólica. Como dizia Castro Alves: "Deus, senhor Deus dos desgraçados", como ainda aceitamos esta vergonha? Propaganda de álcool, que é uma DROGA em horario em que crianças e adolescentes estão assistindo? Num evento tão mobilizador como uma copa? É o poder do dinheiro, do capitalismo selvagem dos patrocinadores. A legislação no Brasil quanto a propaganda de álcool é uma vergonha. Certamente os políticos também ganham dinheiro com isto.

Competição
O jogo de bola, diversão popular mundial, se estrutura em time de onze jogadores e se enfrentam com outro time de onze atletas, o jogo é dominado pelo juiz. O juiz tem todos os direitos e deveres outorgados pelas Federações Estaduais, Nacionais e a FIFA, apoiados pelos respectivos Tribunais Desportivos. Estas organizações programam anualmente os campeonatos regionais, nacionais e internacionais e, a cada quatro anos, os mundiais. Do ano 1930, no Uruguai até 2014, no Brasil somam 19 Copas mundiais, das quais a Seleção do Brasil ostenta 5 Copas Mundiais. Se observa que durante a década dos quarenta não houve campeonatos mundiais, por causa da II Grande Guerra. As guerras, na atualidade são enfrentamentos de continentes, movidos por grupos poderosos que, como o juiz nos jogos de futebol, dominam os continentes e o Planeta Terra e já começam a tentar dominar outros Planetas e Constelações Cósmicas.
As questões sociais que provocaram a I e a II Guerras Mundiais, até hoje, como mostram os informes que nos chegam pela comemoração do I Centenário da I Guerra Mundial, praticamente seguem sem ser resolvidas. Os poderosos mandam e os populares lutam e se divertem. Este fato ensina que as guerras pessoais, locais, nacionais, internacionais e continentais jamais solucionaram os desafios da natureza e da sociedade, antes, pelo contrário, aumentaram os problemas ainda mais.
As manifestações populares dos brasileiros contra a organização da copa, manifestam um descontentamento nacional contra a organização social, precisamente, porque a população começou a perceber que as federações de futebol e de outras competições, como as Olimpíadas de Inverno na cidade russa de Sochi, não são transparentes nos gastos e lucros das competições desportivas. O que deveria ser pura diversão do povo derivou em aumento de capital para os grandes grupos financeiros e empresariais do mundo capitalista que são os juízes que mandam ao jogo social, produtivo, cultural e religioso, como os exércitos e a nova tecnologia nas infinitas guerras que atormentam o Planeta que já foi azul. Os jogos são competição, entre iguais, para divertimento grupal. O trabalho em equipe nas empresas, comandadas pelos executivos, atrelados aos patrões, na indústria, somente aumentou o capital dos grupos no poder e diminuiu no mínimo dos mínimos o capital das populações.
As manifestações contra a Copa poderão, tal vez, modificar, no futuro, outro modo de competições mais justas. Assim se espera.


Competição
O jogo de bola, diversão popular mundial, se estrutura em time de onze jogadores e se enfrentam com outro time de onze atletas, o jogo é dominado pelo juiz. O juiz tem todos os direitos e deveres outorgados pelas Federações Estaduais, Nacionais e a FIFA, apoiados pelos respectivos Tribunais Desportivos. Estas organizações programam anualmente os campeonatos regionais, nacionais e internacionais e, a cada quatro anos, os mundiais. Do ano 1930, no Uruguai até 2014, no Brasil somam 19 Copas mundiais, das quais a Seleção do Brasil ostenta 5 Copas Mundiais. Se observa que durante a década dos quarenta não houve campeonatos mundiais, por causa da II Grande Guerra. As guerras, na atualidade são enfrentamentos de continentes, movidos por grupos poderosos que, como o juiz nos jogos de futebol, dominam os continentes e o Planeta Terra e já começam a tentar dominar outros Planetas e Constelações Cósmicas.
As questões sociais que provocaram a I e a II Guerras Mundiais, até hoje, como mostram os informes que nos chegam pela comemoração do I Centenário da I Guerra Mundial, praticamente seguem sem ser resolvidas. Os poderosos mandam e os populares lutam e se divertem. Este fato ensina que as guerras pessoais, locais, nacionais, internacionais e continentais jamais solucionaram os desafios da natureza e da sociedade, antes, pelo contrário, aumentaram os problemas ainda mais.
As manifestações populares dos brasileiros contra a organização da copa, manifestam um descontentamento nacional contra a organização social, precisamente, porque a população começou a perceber que as federações de futebol e de outras competições, como as Olimpíadas de Inverno na cidade russa de Sochi, não são transparentes nos gastos e lucros das competições desportivas. O que deveria ser pura diversão do povo derivou em aumento de capital para os grandes grupos financeiros e empresariais do mundo capitalista que são os juízes que mandam ao jogo social, produtivo, cultural e religioso, como os exércitos e a nova tecnologia nas infinitas guerras que atormentam o Planeta que já foi azul. Os jogos são competição, entre iguais, para divertimento grupal. O trabalho em equipe nas empresas, comandadas pelos executivos, atrelados aos patrões, na indústria, somente aumentou o capital dos grupos no poder e diminuiu no mínimo dos mínimos o capital das populações.
As manifestações contra a Copa poderão, tal vez, modificar, no futuro, outro modo de competições mais justas. Assim se espera.


Pues, todo este descontento dice mucho de que el pueblo brasileiro está despertando a pasos agigantados.Es "mayor de edad", se da cuenta de lo que le conviene o no conviene, sabe cuales son sus derechos.Desde luego que esto si que es una victoria y vale infinitamente mas que una Copa del Mundo de Futbol.
Mi enhorabuena al pueblo brasileiro.
http://intentadolo.blogspot.com.es/2014/04/agua-de-limon.html

É incrível: a maioria dos paradigmas que dominavam o mundo há 60 anos mudaram totalmente. E a FIFA com seus dirigentes sabidamente corruptos insiste num modelo de campeonato nos mesmos moldes de 60 anos atrás. Nenhum pais desenvolvido aceita hoje sediar uma copa, só os de terceiro mundo, como nós. Porque junta-se a corrupção destes paises com a corrupção da FIFA e o espetáculo está pronto.
PS: Rafael, só quem acredita em Papai Noel acredita que Ronaldinho teve uma convulsão em 1998. A França orgulhosa e dona da casa comprou a vitória. O Brasil também vai tentar comprar, tenho certeza.

Ninguém q more nas 12 cidades poderá reclamar das obras de mobilidade urbana já q em condições normais elas nunca teriam vindo na quantidade e no montante q vieram e o dinheiro teria q ser melhor repartido com as outras cidade q não fazem parte do evento. Os aeroportos são feitos para quem vive aqui 365 e não para turistas de 10 ou 15 dias. Estão sendo ampliados pq cresceu o número de passageiros e o Brasil terá em 2016 o 3° maior mercado aéreo interno depois dos EUA e da China. Antes quando pouca gente viajava de avião os aeroportos eram feitos com antecedência de décadas como foi o caso de Confins, não precisavam de licenças ambientais (Confins pôs em risco importante sítio arqueológico) etc O Brasil receberá jogos em 12 cidades, onde já vivem normalmente quase 40 milhões de pessoas, fora a região metropolitana de cada uma. O Brasil usará 170 mil homens, ficando bem longe dos 220 mil da Alemanha q utilizou apenas 8 cidades sede. Tem q usar o Exército sim, a polícia não pode ficar remanejando gente de funções essenciais para funções adicionais e além disso não estamos esperando nenhuma guerra para os próximos meses ao passo q a cada mês q se seguir a Nação estará obrigada a depositar com data certa dinheiro na conta de cada membro do Exército lá no Banco do Brasil. Aliás a criminalidade no Rio poderia ter sido combatida por eles bem lá no início nos anos 80 quando o general Fiqueiredo era Presidente da República e existiam 300 mil homens das FFAA apenas no entorno da cidade do Rio de Janeiro. Eles nada fizeram apesar de inclusive comandarem as polícias e ainda desse excesso de militares sairam alguns maus elementos especializados em armas para reforçar o time do traficantes.1950 é uma espécie de ideía fixa de jornalistas hispânicos, uma espécie de defeito de fabricação. Eu não me importo sequer com 1970, 1950 para mim e para quase 100% dos brasileiros é como falar das múmias do Egito. No entanto um jornalista hispânico não consegue escrever sobre o Brasil sem mencionar o tal jogo, Freud é q deve explicar bem isso. Nada mudou, basta começar a copa e nós todos vamos querer ganhar e se possível tb atropelar a sua Espanha como aconteceu na Copa das Confederações, não se iluda com aparências! Não existe nenhum político fiando em q o Brasil ganhe a Copa do Mundo. Foram 19 edições e o Brasil só ganhou 5, é algo q não pode ser previsto. Se houvesse o menor risco de uma convulsão social por causa da perda de um Mundial, ninguém seria louco de candidatar o país e correr esse risco. Se perder nada acontecerá como foi em 1998 quando o Brasil perdeu para a França mesmo tendo Ronaldo Fenômeno, o tal do maior artilheiro de todas as Copas. A não ser talvez algumas brigas, bebedeira de alguns e alguns aparelhos de TV quebrados. Coisas q ocorreriam do mesmo jeito se o Brasil ganhasse... Mundial no Brasil não é feito às custas de algo. O dinheiro dos estadios seria emprestado para empresas do mesmíssimo jeito q acabou sendo e só seria todo gasto em saúde, educação etc em caso de algum governo comunista tipo PSOL ou PSTU

A

Con acusaciones de limpieza de ciudadanos expulsados, niños y gente sin hogar, asesinados a diario para "higienizar" el panorama del país, y con más de un 60% de la población absolutamente en contra de la organización del Mundial, este tipo de macroeventos en países que necesitan priorizar otras cuestiones están abocados a la desaparición.

http://casaquerida.com/2014/04/22/ciudadanos-ingenuos/

Con acusaciones de limpieza de ciudadanos expulsados, niños y gente sin hogar, asesinados a diario para "higienizar" el panorama del país, y con más de un 60% de la población absolutamente en contra de la organización del Mundial, este tipo de macroeventos en países que necesitan priorizar otras cuestiones están abocados a la desaparición.

http://casaquerida.com/2014/04/22/ciudadanos-ingenuos/

Los comentarios de esta entrada están cerrados.

Sobre el autor

es periodista y escritor traducido en diez idiomas. Fue corresponsal de EL PAIS 18 años en Italia y en el Vaticano, director de BABELIA y Ombudsman del diario. Recibió en Italia el premio a la Cultura del Gobierno. En España fue condecorado con la Cruz al Mérito Civil por el rey Juan Carlos por el conjunto de su obra. Desde hace 12 años informa desde Brasil para este diario donde colabora tambien en la sección de Opinión.

Eskup

El País

EDICIONES EL PAIS, S.L. - Miguel Yuste 40 – 28037 – Madrid [España] | Aviso Legal