Clovis Rossi

A festa dos ratos

Por: | 30 de noviembre de 2011


Senador Sérgio Guerra

O PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) mergulhou no passado para dele extrair um filmete que seu maior rival, o PT (Partido dos Trabalhadores), usou faz nove anos, para demonstrar que a política brasileira era um ninho de ratos corroendo o país.
O filmete do PT começa com uma imagem, que ficou famosa à época, por mostrar ratos comendo a bandeira do Brasil, uma clara tentativa de mostrar indignação com a corrupção disseminada.
Foi antes de o PT chegar ao poder federal. Agora, que nele está instalando há nove anos, vem a vingança dos rivais: no filmete do PSDB que está no ar, aproveitando o horário de propaganda política assegurado pela legislação, um locutor mostra a propaganda petista e diz:
"Há nove anos, nessa propaganda, o PT anunciava que, se o Brasil não acabasse com a corrupção, a corrupção iria acabar com o Brasil. Há nove anos, o PT está no poder... e o que era apenas uma propaganda do PT [aparece um rato comendo um pedaço da bandeira, arrotando e dando risada]... virou a realidade deste governo".

Desgraçadamente, os dois lados parecem ter razão na sua propaganda: hoje, com o PT, antes, com outros partidos, PSDB inclusive, os ratos fazem a festa com recursos públicos.



Pior: a maior parte dos políticos não tem o menor pudor em assumir imoralidades. Caso mais recente: Cândido Vaccarezza, deputado do PT e líder do governo na Câmara dos Deputados, saiu em defesa do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, sobre o qual pesa a acusação (a mais recente entre tantas) de que foi funcionário fantasma da Câmara: passou seis anos ganhando sem aparecer na Casa. Vivia no Rio de Janeiro.
Vaccarezza não vê nenhum problema nessa situação, a partir do argumento escandaloso de que todo mundo faz a mesma coisa.
"A maioria [dos assessores de deputados] jamais pisou na Câmara. Porque a maioria dos funcionários dos deputados fica nos Estados", conformou-se Vaccarezza, em vez de indignar-se com essa imoralidade coletiva.
Não é apenas uma imoralidade. É ilegal também, pois é obrigatório que trabalhem em Brasília os ocupantes de Cargos de Natureza Especial, rótulo que serve para remunerar suculentamente os amigos dos parlamentares elevados a cargos públicos.
Lupi é do PDT (Partido Democrático Trabalhista), Vaccarezza é do PT, mas o presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, também já foi flagrado pela mídia dando emprego a até oito parentes de um assessor em seu gabinete oficial (portanto pago com dinheiro público) de Recife (Pernambuco), bem longe de Brasília.
Tudo somado, parece evidente - e triste - que todo partido que sair do governo para a oposição terá direito a exibir um filminho com a festa dos ratos sobre a bandeira brasileira, porque são todos farinha do mesmo saco como se diz no Brasil.

Hay 1 Comentarios

.. muito grato, espero que o seu ser em uma conferência no futuro, raramente há muita consistência na internet

Los comentarios de esta entrada están cerrados.

Sobre el autor

Clovis Rossi. 48 años de periodismo, columnista del diario "Folha de S. Paulo" y del portal Folha.com, ya ejerció todas las funciones posibles en el periodismo, de reportero a editor-jefe, ganador de los premios Maria Moors Cabot, de la Universidad Columbia (NY) y de la Fundación Nuevo Periodismo Iberoamericano, dirigida por Gabriel García Márquez, los dos por el conjunto de la obra.

TWITTER

Clovis Rossi

Archivo

abril 2012

Lun. Mar. Mie. Jue. Vie. Sáb. Dom.
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            

Categorías

El País

EDICIONES EL PAIS, S.L. - Miguel Yuste 40 – 28037 – Madrid [España] | Aviso Legal